17 de nov de 2011

Previna-se contra os efeitos do tempo seco


O clima seco aumenta a tendência à desidratação e ressecamento da mucosa nasal. “Abaixo de 20% da umidade relativa do ar, a Organização Mundial da Saúde não indica a atividade física em ambientes abertos”, afirma a pneumologista da Unifesp, Jaquelina Ota Arkaki.
 
Devido ao ressecamento das vias aéreas e dos olhos, durante esses períodos, é maior a ocorrência de casos de alergias – principalmente em pessoas que possuem doenças crônicas como asma. Quem sofre com esse tipo de problema precisa tomar ainda mais cuidado, pois o esforço durante épocas de baixa temperatura ou baixa umidade pode provocar uma crise. “Quando as recomendações não são seguidas, quem pratica exercícios pode sentir cãibras e dores de cabeça, além de ter sangramento nas narinas e queda de rendimento”, alerta Felipe Pita, diretor-técnico da Equipe Metas Esporte.
 
Driblando os efeitos – Se possível, dê preferência para os horários do dia em que a umidade do ar não está tão baixa – entre 10h e 16h, a situação encontra-se mais agravada. “Para quem mora em grandes centros urbanos e está sujeita à poluição, o ideal é praticar atividade física antes das 7h ou depois das 20h”, aconselha Jaquelina. A pneumologista também sugere pingar soro fisiológico nas narinas para umedecer as vias aéreas e diminuir o desconforto, bem como ingerir líquidos regularmente para manter uma boa hidratação.
 
“A hidratação é fundamental quando o clima está seco, uma vez que o corpo perde água para o ambiente, para regular a temperatura, transportar nutrientes e manter o funcionamento do sistema digestivo e circulatório. Além disso, perdemos mais água pelo suor e urina”, explica Patrícia Bertolucci, da PB Consultoria em Nutrição. Para exercícios com duração até 1h, apenas a ingestão de água é suficiente. Em atividades intensas ou treinos que se prolonguem por mais de 1h, utilize isotônicos ou sucos de frutas diluídos. Também consuma diariamente sucos naturais, frutas ricas em água ou água de coco.
 
Alimentação leve – Optar por alimentos que não pesem é o mais indicado para evitar a sensação de distensão ou mal-estar gástrico: prefira legumes, verduras e frutas ao invés de alimentos gordurosos. “De acordo com a OMS, é recomendado que sejam consumidas três porções de frutas e três porções de legumes e verduras por dia – o que corresponde a uma ingestão diária de pelo menos 400 g de frutas e legumes”, ensina Patrícia.
 
Lembre-se também de que alimentos ricos em vitamina C (laranja, acerola, morango, folhas verdes e brócolis) previnem as doenças respiratórias. E fontes de zinco (carnes, oleaginosas, leite e derivados) ajudam a proteger contra infecções, enquanto a vitamina A (ovos, batata doce, cenoura, mamão e espinafre) contribui para o fortalecimento do sistema imunológico.

Fonte: W Run

Nenhum comentário:

Postar um comentário