1 de mai de 2013

Armstrong não queria a camisa amarela



Foto: Divulgação/ News


Acompanhe o texto desenvolvido por Luciano Pagliarini, atleta patrocinado pela Fast Runner


Tour de France 2005, dia 5 de julho, 4° etapa, eu fui um dos últimos atletas a alinhar para a largada. Momentos após, como de costume, Lance Armstong alinha também, sendo o último a se apresentar para a prova. Ao meu lado vestido normalmente com o uniforme da US-Postal Service.

Lance desencaixa as sapatilhas dos pedais e espera a bandeira de largada, foi ali que tive a oportunidade de presenciar um  momento marcante na minha carreira, mas que porem passou despercebido para o mundo inteiro.
Fato é que Lance havia conquistado a camisa amarela no dia anterior, quando foi diretamente beneficiado pelo azar do também americano David Zabriskie (equipe CSC), que era o atual líder do Tour.

Na última curva da cronômetro por equipe Zabriskie tocou o pedal direito no asfalto sofrendo um grave acidente, perdendo assim a "maglia" para o segundo na classificação geral, nada mais nada menos que Lance Armstrong.
Como gesto de lealdade ou espírito esportivo, não sei, Armstrong se negou a vestir a "Maglia Gialla" naquela etapa, talvez não considerasse justo pois havia conquistado em benefício do infeliz tombo de Zabriskie .

Quando levantou-se a placa de um minuto para a largada começou a confusão. Eu, de camarote, assisti o diretor geral da prova se aproximar de Armstrong, com espanto pelo fato do atleta estar vestindo seu uniforme usual. O diretor batendo o indicador no vidro de seu relógio demonstrava toda sua preocupação pelo pouco tempo restante para a largada, batia no relógio a ameaçava o americano, dizendo que ele não podia largar sem a camisa de líder. Ficaram nesse impasse até aparecer a placa de 20 segundos quando Johan Bruyneel, o Diretor esportivo da US-Postal, desce do carro com a camisa amarela em mãos e interfere pedindo para o atleta vesti-la. Nesse mesmo momento a bandeira estava abaixando e começaram os “tac-tacs” dos tacos encaixando nos pedais, Armstrong tira o capacete, óculos e a maglia US-Postal, o pelotão começa a se movimentar, veste a camisa amarela, coloca o capacete de qualquer jeito e larga segurando seus óculos entre os dentes. Mesmo com os óculos na boca conseguia falar "fuck, fuck, fuck" deve ter soltado uns 30 "fucks" durante a largada e assim seguiu.

Lance acabou não ficando de fora do pelotão, mas largou muito nervoso sem os números na camisa e sem alimentos nos bolsos. Naquele dia a etapa teve seu início com ritmo particularmente forte. Andamos os primeiros 60 km com quase 55 km/h de média, aconteceram muitos ataques, até sair uma fuga e o pelotão se estabilizar em uma velocidade de cruzeiro. Foi ai que Lance teve a oportunidade de erguer o braço no fundo do pelotão e pedir para seu carro de apoio lhe trazer os números, barrinhas energéticas e alimentos para etapa. Os números foram colados tortos pelo mecânico da janela do carro, seu abastecimento foi dado por Bruyneel enquanto dirigia e dessa forma Armstrong ficou no meio do pelotão durante toda etapa. Para ele se tratava de uma etapa de transição, pois era plana e chegaríamos disputando o sprint final. O americano simplesmente completou o percurso do dia vencido pelo velocista australiano Robbie McEwen e o fato passou despercebido aos olhos de muitos.

Para mim foi um momento marcante, embora poucos tenham notado. De noite no hotel contei o fato para os meus companheiros durante a janta, ninguém havia percebido e foi um motivo de muita curiosidade para todos.
Neste Tour de France, Lance perdeu a liderança na 9ª etapa para o alemão Jens Voigt, mas recuperou novamente na 10ª levando com muita determinação a Camisa Amarela até o risco final de Paris, etapa vencida de forma impressionante por Aleksandr Vinokurov.

Historias do pelotão!

__

Luciano Pagliarini é ciclista brasileiro com mais de 300 vitórias, competiu por 11 anos na elite do ciclismo Mundial participando de provas clássicas como Tour de France, Giro de Itália, Volta da Espanha, Paris Roubaix e Olimpíadas.

Bons treinos!
Equipe Fast Runner

Nenhum comentário:

Postar um comentário