3 de mai de 2013

Ferro: corredores dependem do mineral para ter bom desempenho



Foto: Divulgação

Mineral transporta o oxigênio dos pulmões para os músculos, produz enzimas nas células musculares e garante boa energia para o corpo durante os treinos


Quem corre, pedala, nada ou pratica qualquer tipo de atividade física, não pode esquecer de um mineral fundamental para o desempenho nos treinos: o ferro. É ele quem transporta o oxigênio dos pulmões para os músculos, produz enzimas nas células musculares e confere uma boa energia para o corpo durante os exercícios físicos. 

Segundo a nutricionista Natália De Oliveira, a ausência de ferro no organismo pode comprometer um rendimento adequado.

- As pernas ficam parecendo mais pesadas, os esportistas apresentam também palidez, fadiga, palpitações, perda da capacidade termorreguladora e aumento do débito cardíaco, por isso é importante monitorar os níveis de ferro periodicamente.
Recomendação de ingestão de ferro: 18mg para mulheres e 8mg para os homens por dia.

Os praticantes de atividade física têm uma maior perda de ferro do que os sedentários, levando em consideração o maior volume de sangue que ocorre no corpo, ou seja, o ferro nas hemácias dos atletas é diluído em uma quantidade maior. Quanto maior o número de hemácias, maior a produção de hemoglobina, sendo maior a demanda deste mineral. Dessa forma, o consumo de ferro entre os atletas deve ser maior do que alguém que não pratica nenhum tipo de esporte.

- A ingestão deve ser aumentada também pela presença da hemólise (quebra das células vermelhas) com o impacto dos pés no chão durante o treino ou a corrida. A hemólise não é significativa e nem causa um dano maior para os atletas, porém reduz a quantidade de hemácias e de hemoglobina na concentração sanguínea. O atleta também perde pequenas quantidades de ferro durante a transpiração e a urina, principalmente se o treino ou a corrida forem de alta performance, realizados em ambientes quentes e úmidos – afirmou Natália.

Tipos de Ferro

Estão presentes na dieta dois tipos de ferro: o ferro heme e o ferro não-heme. O ferro heme está presente em alimentos de origem animal como carnes, frango, peixe e seus subprodutos. Já o ferro não-heme é composto por alimentos de origem vegetal como feijão, lentilha, soja, inhame, aveia e os vegetais verde-escuros (acelga, couve, brócolis, espinafre, bertalha e mostarda).

Funções importantes

- Atua no processo respiratório de transporte de oxigênio e dióxido de carbono no organismo; - Faz parte das enzimas que atuam no processo de respiração celular;
- Confere energia suficiente para o corpo.

Recomendações

Segundo a nutricionista Cristiane Perroni, a vitamina C tem interação positiva com o ferro, portanto, a presença de frutas cítricas (laranja, acerola, limão, morango, goiaba, tangerina, melancia) e vegetais ricos em vitamina C (beterraba, brócolis, couve-flor) nas grandes refeições torna o ferro dietético mais disponível. Já o cálcio tem interação negativa com o ferro, pois quando está presente nas refeições tem efeito inibitório sobre a absorção de ferro, tanto o heme quanto o não-heme.

- É preciso evitar a ingestão de leite e derivados nas grandes refeições (almoço e jantar), onde há alimentos ricos em ferro. Também não se deve tomar suplemento medicamentoso de ferro no desjejum quando são ingeridos leite e derivados. O ideal é tomar antes do almoço ou ao deitar – disse Cristiane.

Além do cálcio, a cafeína presente no café, chá e mate também deve ser evitada durante as grandes refeições, para assegurar uma ideal absorção do mineral.

Distúsbios causados pela falta de ferro

Para Natália De Oliveira, o ferro é fundamental para a oxigenação das células e um bom desempenho no treino, portanto, não deixe esse mineral fora do seu cardápio, pois podem ocorrer os seguintes problemas: 

  • Anemia ferropriva
  • Diminuição de funções cognitivas e psicomotora, principalmente em crianças 
  • Dor de cabeça 
  • Diminuição da função leucocitária 

Sintomas causados pelo excesso de ferro

Assim como a carência de ferro causa anemia, o excesso tem efeitos tóxicos, com aumento da formação de radicais livres. O excesso de ferro no sangue pode ser bastante prejudicial à saúde, provocando doenças cardíacas, câncer, diabetes e artrites. O tratamento para o excesso de ferro no organismo consiste em alterar hábitos alimentares, fazer uma doação de sangue e, por vezes, tomar aminoácidos, tudo feito por acompanhamento médico. Seguem alguns sintomas abaixo:

  • Cansaço e fraqueza
  • Queda de cabelo
  • Impotência 
  • Alteração no ciclo menstrual
  • Dor abdominal
  • Arritmia
  •  Perda de peso
  • Inchaço
  •  Dores nas articulações
  • Atrofia testicular

Bons treinos e ótima alimentação!
Equipe Fast Runner
Por Fast Runner

Nenhum comentário:

Postar um comentário