4 de out de 2010

A história da Campagnolo

A história da Campagnolo começa em 1901, quando Tullio Campagnolo nasceu em uma modesta família operária, em Vicenza, Itália. O pai de Tullio era proprietário de uma loja de ferragem e foi lá que ele adquiriu a habilidade mecânica que levaria a vários dos maiores desenvolvimentos da história do ciclismo.


Foi também durante esses anos iniciais que Tullio descobriu o ciclismo - um esporte no qual ele teve algum sucesso como amador, competindo em vários eventos importantes, incluindo Milão - San Remo, Volta da Lombardia e as preliminares das jogos Olímpicos.

Foi durante uma das competições, como amador, que Tullio deparou-se com um problema que acontecia freqüentemente com os ciclistas daquela época - remover a roda. Em 11 de Novembro de 1927, com a neve encobrindo as estradas das montanhas Dolomíticas italianas, Tullio estava atravessando o passo Croce D'Aune, na corrida Gran Premio della Vittoria, e precisou remover a roda traseira para mudar a marcha. Devido a grande porca borboleta que mantinha a roda no lugar ter congelado e suas mãos estarem muito geladas para poder folga-las, ele não foi capaz de remover a roda para fazer a mudança de marcha, perdendo sua chance de vitória naquele dia.

Enquanto lutava para remover a roda ele resmungou, para si próprio, cinco palavras que mudaram a história do ciclismo: "Bisogno cambiá qualcossa de drio!"

Essas palavras ("Alguma coisa tem que mudar na traseira!") e aquele simples acontecimento levaram Tullio a pensar. Ele retornou à sua oficina e apareceu com a invenção do a alavanca de fecho-rápido e, pouco tempo depois, o primeiro passador, tipo "derailleur" ("descarrilhador").

O fecho-rápido foi apenas a primeira de uma longa série de inovações que saiu da oficina Campagnolo. De fato, foi dessa humilde fabrica de Vicenza que a idéia inicial do "derailleur" surgiu. Você não consegue imaginar como era pedalar antes do moderno câmbio "Ergo"?

Vejamos então:

Nos velhos bons tempos, quando os estágios da Tour de France tinham mais de 450 Km de distância, os ciclistas subiam os passos nas montanhas em estradas mal pavimentadas, não havia cambio com passador! Naqueles dias, as bicicletas tinham um ou dois pinhões na roda traseira. Essas bicicletas de duas marchas tinham um pinhão de cada lado do cubo traseiro.

Para mudar a marcha, o ciclista tinha que desmontar, remover a roda traseira, inverter os lados, reinstalar tudo e apertar, remontar na bicicleta e continuar.

Uma das medidas da habilidade de um ciclista era a rapidez com que ele (ou, raramente, ela) podia fazer isso tudo.

Campagnolo viu o potencial de um sistema de cambio diferente. Em 1930 ele introduziu o primeiro cubo com fecho-rápido, respondendo ao desafio que ele fez a si próprio três anos antes. Em 1933, ele introduziu o primeiro passador (derailleur) do mundo. Ele continuou trabalhando no projeto, e em 1940 ele inventou o passador "Cambio Corsa" de haste dupla. O "Cambio Corsa" foi seguido pelo cambio "Roubaix", que combinava o fecho-rápido e passador numa única alavanca. A mudança era arcaica pelos padrões atuais, mas era equivalente ao cambio "Ergo" na sua época, e marcou a primeira vez que um ciclista podia fazer, verdadeiramente, mudança de marcha em movimento. Era assim que funcionava: o passador "Cambio Corsa" consistia de duas alavancas e hastes, fixada no lado direito do garfo traseiro. Uma das alavancas atuava no fecho-rápido da roda traseira, a outra movimentava um dispositivo tipo garfo que movia a corrente de um lado para o outro. Não havia polias ou outro mecanismo esticador da corrente. As gancheiras traseiras eram horizontais e um pouco mais longas do que são hoje em dia, dessa forma a "folga" na corrente era corrigida permitindo que a roda se movimentasse para frente e para trás.

Para fazer a mudança de marcha, o ciclista primeiro folgava o fecho-rápido da roda traseira (lembre que isso era feito enquanto pedalava!) Então, a outra alavanca era girada para mudar a corrente de um pinhão para o outro - enquanto a corrente se movia a roda traseira se movimentava para a frente (quando a mudança era para o pinhão maior) ou para trás (quando a mudança era para o pinhão menor). Quando a mudança era realizada o fecho-rápido era reapertado.

O grande campeão Gino Bartali era um mestre da alavanca de cambio.

O cambio "Roubaix" é muito mais raro hoje do que o "Cambio Corsa", porque o modelo "Gran Sport" foi introduzido pouco tempo depois, fazendo com que seu período de produção fosse muito curto.

O passador rudimentar da Campagnolo revolucionou o ciclismo. Mas foi apenas um de uma longa linha de inovações técnicas.

Depois da Segunda guerra, muitos dos melhores ciclistas do mundo - incluindo Fausto Coppi (Il Campionissimo) e Gino Bartali - começaram a usar equipamentos Campagnolo.
Coppi pedalou muito à frente do pelotão "a bordo" de uma bicicleta equipada com "Campy", na Tour de France de 1949.

Coppi usou o primeiro passador de haste da Campagnolo na corrida Paris-Roubaix de 1945, e depois usou os componentes de Tullio para vencer a Paris-Roubaix de 1950.
O próximo projeto de passador de Tullio parecia muito similar com os que seriam usados nas próximas décadas. Ele deu início à longa linha de inovações que levaria diretamente ao cambio "Ergo" e ao grupo "Record"!

O surgimento da Campagnolo como o fabricante definitivo de componentes foi devido, em grande parte, à própria pessoa de Tullio e ao seu conceito de fazer uma ligação entre o produtor e o usuário final. Prenunciando a P&D (Pesquisa & Desenvolvimento) das companhias de hoje, Tullio começou seguindo as competições pessoalmente, ouvindo sugestões dos ciclistas e modificando os produtos para atender às necessidades deles.

Adaptado de oocities.


Veja também:




Nenhum comentário:

Postar um comentário