21 de dez de 2010

Aclives do percurso


Correr na subida soa como um martírio e é difícil imaginar que, apesar de todo o cansaço que causa e do tremendo esforço a que o corpo é submetido, ela pode fazer maravilhas por você e pela sua evolução no esporte. Treinar nos aclives fortalece a musculatura das pernas, aumenta a economia da corrida, melhora o condicionamento aeróbio, aprimora a técnica e até faz com que o corredor ganhe velocidade. Ou seja: o deixa mais forte, rápido e saudável.

Se você é daqueles que continuam torcendo o nariz para esse tipo de treino, aí vão algumas provas do quanto ele pode fazer pelo seu corpo.

Um estudo realizado pelo Instituto Karolinska, na Suécia, constatou que maratonistas que haviam treinado por 12 semanas em subidas, duas vezes a cada semana, tiveram uma melhora de 3% na economia de corrida (menor gasto energético para manter o movimento da corrida). Pode parecer pouco, mas isso resultou em 2 min a menos nas provas de 16k e 6 min a menos em uma maratona. E isso não é nada desprezível. Outra pesquisa descobriu que atletas que treinam subida têm, nos quadríceps, muito mais enzimas que permitem aos músculos funcionar em intensidades elevadas sem ficar fatigado que aqueles que só correm em terrenos planos.

Os aclives são uma maneira de fazer o corpo trabalhar mais. Você coloca mais intensidade no exercício, sem necessariamente aumentar a velocidade e, como trabalha com um V02 mais alto, a capacidade de manter a velocidade se aprimora. A subida exige mais força e resistência. O atleta adquire mais força nos membros inferiores e consegue realizar um recrutamento mais intenso e amplo dos grupos musculares que são utilizados na corrida.

Muitos corredores não se dão conta de que o treino na subida pode ser tão benéfico para a musculatura das pernas quanto o feito na musculação, com a vantagem de o exercício ser feito enquanto se corre e não em uma situação artificial como uma sala de aula. Muitos especialistas acreditam que as sessões no aclive melhoram a elasticidade de músculos, tendões e ligamentos, fazendo com que o corpo consiga suportar uma intensidade de trabalho mais alta com menos esforço e fadiga.


Acompanhe a Fast Runner também nas redes sociais:

Twitter | Orkut | Facebook

Fonte: Sport Life

Um comentário:

  1. Quando avistei o imenso degrau no meu percurso de prova (era minha primeira, 5km), agradeci por todas as subidas que não negligenciei.
    É uma parte dolorida, mas importante do treino.

    ResponderExcluir