4 de jun de 2012

Troféu Brasil 3ª Etapa - USP



Ontem, dia 03/06 aconteceu a 3ª Etapa do Troféu Brasil, onde eu já havia participado da 1ª Etapa e resolvi me testar domingo após ter voltado aos treinos.
Eu confesso que voltei a treinar direitinho, estava seguindo a risca da planilha, mas a minha alimentação está completamente confusa e eu estou uns 4 quilos acima do peso que me sinto “bem” para voar baixo na corrida. De qualquer maneira estou forte, estou com base muscular e isso é importante também para o atleta ficar um período fazendo base quando não está competindo. Os meus quilos extras não foram propositais para esse período de “base”, foram frutos de muito capuccino, pão e sorvete.
Ontem eu senti o peso da falta de uma alimentação regrada e com suplementos, pois fiz uma das corridas mais sofridas da minha vida, se não fossem meus amigos Ciça Carvalho e Vagner Juliano me incentivando muito, tinha quebrado mais drasticamente ainda. 
O dia estava lindo, temperatura ideal, a água da raia também não estava tão fria, tudo perfeito do jeito que eu gosto! Acordei cedo, comi minha banana com aveia e mel e fui para a “guerra”. Cheguei cedo, fui sozinha, com tudo arrumadinho, e estava super tranquila para a prova.
Foi dada a largada da natação, foi um pega pra capar, largar com homem é uma pancadaria mesmo, na 1ª volta não encaixei o ritmo e engasguei umas 2 vezes, na segunda consegui encaixar um ritmo bom, mas com certeza deveria ter feito mais força, não me concentrei direito (concentração na natação é muito importante, faz muita diferença, tem que ficar atento e ser esperto na hora de se colocar e achar seu ritmo). Saí da água em 4° no geral, daí acordei para a prova e foquei no pedal, consegui passar 3 meninas mesmo tomando um Stop and Go, me matei no pedal, fiz muita força, mas mesmo assim não consegui passar a Carla Prado que estava em 1° no geral.
Saí para correr um pouco atrás dela, mas estava quebrada do pedal, fiz uma corrida sofrida, pesada, não achava meu pace. Com certeza senti isso por 4 motivos, 4 quilos a mais, alimentação desregrada, muita força na bike, e pelo chip! Chip??? Isso mesmo, fica aqui uma dica importante, e como pequenas coisas banais te quebram em uma prova. Eu apertei demais o meu chip no tornozelo, muito mesmo, o que travou a circulação do meu pé e panturrilha direita, parecia que eu tinha pisado em um formigueiro, muito estranha a sensação, nunca tinha sentido algo assim, muito incomodo  e dor, percebi que podia ser o chip, quando parei no km 7 para desapertar o cadarço e olhei para o chip, soltei um pouco e continuei, nossa que alivio imediato!!! Consegui focar novamente e terminar a prova em 2° no geral e 1° na categoria, mas foi uma prova doída viu.
Fica a dica: antes de competir vá a um nutricionista; não adianta treinar direitinho se não abastecer corretamente seu corpo de tudo que ele precisa para aguentar o desgaste do treino e a agressão de uma prova.
E outra dica é não apertar muito o chip e o cadarço, parece besteira, mas na hora da corrida pode fazer toda a diferença.

Um comentário:

  1. Parabêns Nina!

    Super atleta, super mulher!!!

    Beijos Fabio. B.

    ResponderExcluir