29 de ago de 2013

Consumida moderadamente, cerveja é benéfica para coração de esportista

Foto: Getty Images

Segundo estudos, bebidas fermentadas apresentam substâncias protetoras da saúde e podem ajudar na redução dos níveis de colesterol ruim


Não tem polêmica, apenas uma surpresa para alguns desavisados. Há vinte anos, vários estudos sobre bebidas fermentadas - cerveja e vinho - surgiram entre as pesquisas sobre a famosa Dieta Mediterrânea. A presença de substâncias protetoras da saúde – polifenóis (flavonoides e isoflavona) e fitosteróis (resveratrol) - tanto no vinho como na cerveja explicam o paradoxo de consumidores de muita gordura animal que têm baixa incidência de aterosclerose no coração na população da região mediterrânea. O vinho se consolidou como bebida saudável, se não passar de uma ou duas taças por dia.

A cerveja com álcool, uma das bebidas mais consumidas no mundo - o Brasil é o terceiro em produção e 17º em consumo per capita - agora teve também demonstrado que, se consumida moderadamente - 600 a 700ml/dia por homens e 350ml por mulheres-, produz benefícios semelhantes aos do vinho. Ela ainda poderia ser reidratante na sua versão sem álcool, já que é composta de aproximadamente 95% de água.

Estas pesquisas científicas foram apresentadas em Congressos de Cardiologia dos EUA e da Europa, e publicadas em revistas científicas de grande impacto. Pesquisadores do Instituto de Saúde da Universidade de Griffith- Austrália criaram uma cerveja com teor alcoólico reduzido que diminui a desidratação através da adição de eletrólitos. Após um teste piloto, constataram que esta “nova versão” hidratou os indivíduos 1/3 a mais do que as outras cervejas testadas.

Citada no antigo testamento, a cerveja fez parte da dieta mediterrânea antiga e supõe-se que tenha surgido do líquido resultante do simples armazenamento da cevada em recipientes de barro expostos à chuva. Os estudos das bebidas fermentadas foram aprofundados em países como Alemanha, Grécia e Espanha. Recentes pesquisas feitas em Barcelona pela vice-presidente da Sociedade Espanhola de Cardiologia, a professora Lina Badimon, que também já atuou como pesquisadora no Mount Sinai Hospital de NY, analisaram porcos, que possuem características semelhantes aos humanos no que se refere à doença aterosclerótica.

Os animais foram divididos em três grupos, todos com dieta bem gordurosa: um grupo recebeu diariamente cerveja com teor alcoólico reduzido por 10 dias, outro grupo recebeu cerveja com teor alcoólico regular (3 a 8%) e o terceiro recebeu cerveja sem álcool. Os resultados mostraram que o grupo que mais se beneficiou da ação antioxidante no organismo foi o grupo que recebeu cerveja regular.

Nos humanos, o consumo moderado de cerveja pode trazer benefícios, principalmente para os níveis de colesterol - aumentando o HDL e diminuindo o LDL - e elevando a produção interna de óxido nítrico, o mais potente vaso dilatador e antioxidante biológico e em alguns dos fatores de coagulação sanguínea. Importante notar que, apesar de mais discretos, a cerveja sem álcool também apresentou efeitos cardioprotetores.

A cerveja nunca será um remédio, mas, sim, um hábito de vida. Para não correr o risco de alcoolismo, deve ser muito bem esclarecido que o consumo dela deve ser obrigatoriamente moderado. Crianças, gestantes, cardíacos, doentes do fígado ou que estejam usando medicações incompatíveis com o álcool não devem consumir bebidas alcoólicas.


Fonte: Globo Esporte 
Bons Treinos!
Equipe Fast Runner

Siga nosso Instagram
@lojasfastrunner

Nenhum comentário:

Postar um comentário